"RE.VER.SO – GIAN BALDACCONI & VINI PARISI"

Rev.Ver.So

Sempre se soube que o antagonismo gera a tensão que proporciona os avanços.

A arte não fica fora deste contexto: perfeição x imperfeição; o feio x o belo. Podemos encontrar beleza na perfeição, mas não necessariamente precisa haver perfeição para que exista a beleza.

O belo muitas vezes pode ser monótono. Kant já dizia que o belo provoca prazer sem interesse. Portanto, um desequilíbrio na relação orgânica entre as partes de um todo nos retira da zona de conforto e nos `conduz à reflexão. Mergulhar em águas menos óbvias e previsíveis é um exercício muito mais desafiador, rico e complexo.

O pensamento de Kant propiciou as grandes rupturas estéticas que deram a base da arte contemporânea ao inverter o papel do objeto em relação ao interlocutor. Os olhos do interlocutor tornaram-se as antenas que capturam as emoções da proximidade do objeto. O sujeito interage e não simplesmente contempla. Portanto o veredito do belo x feio e perfeito x imperfeito depende do nosso olhar, do tempo em que vivemos e das nossas referências culturais. Muitas vezes os critérios sócio-políticos falam mais que os critérios estéticos.

O que é inaceitável hoje pode ser muito bem aceito amanhã e o que é definido como feio pode contribuir para a beleza do conjunto da obra. A arte contemporânea utiliza o recurso do feio para denunciar as atrocidades do nosso tempo. Costuma-se dizer que hoje em dia se convive com modelos opostos porque a tensão entre o feio x belo não tem mais valor estético. Os dois seriam opções possíveis para se atingir o objetivo.

Vini Parisi + Gian Luca Ewbank

Curadoria: Renata Junqueira

- Virtual Tour Re.Ver.So -

This content requires HTML5/CSS3, WebGL, or Adobe Flash Player Version 9 or higher.

CATÁLOGO

+ infos e obras que foram expostas

em breve

- FOTOS -

Start typing and press Enter to search